HISTÓRIA DA ACE

A Academia Cearense de Engenharia surge no cenário cearense com a missão de contribuir para que a sociedade em geral: profissionais, trabalhadores, empresários, Estado, sejam servidos de forma competente, ética e inovadora pelos engenheiros e segundo critérios de sustentabilidade. Ela atua como sociedade técnico-científico-cultural, de forma honorífica.

A Academia é constituída por 40 Acadêmicos Titulares Fundadores Efetivos e por 40 Acadêmicos Fundadores Honorários, oriundos das diferentes modalidades da engenharia, atuantes em diversas entidades públicas e privadas, com variados anos de atuação profissional no Ceará ou noutros Estados, muitos deles com envolvimento em representatividade de classe e tendo ocupado cargos de direção pública ou empresarial. Por serem portadores de ricas experiências profissionais, abrem-se oportunidades na Academia para discussão e busca de soluções para os nossos problemas socioeconômicos.

Por questão de justiça, gostaria de destacar que a Academia Cearense de Engenharia surge em função do empenho do engenheiro Victor Frota Pinto, Presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Ceará, que agregou profissionais de engenharia para discutir a ideia, disponibilizando as dependências do Conselho para as reuniões preliminares, acompanhando permanentemente as discussões e pontos levantados e, principalmente, dando o apoio necessário para a sua instalação.

O grande desafio doravante consiste no estabelecimento de metas a cumprir, nos suportes institucionais e financeiros, no envolvimento dos seus acadêmicos e para alcançar resultados concretos, tendo em vista seus objetivos e finalidades. A Academia dará os seus primeiros passos a partir de sua instalação oficial em 21 de janeiro de 2015, em sessão solene comemorativa de 80 anos de criação do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Ceará (CREA-CE), iniciando um período de contribuições para o fortalecimento da engenharia cearense.

* Presidente da Academia Cearense de Engenharia (ACE).